Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

11 meses depois...

24.02.15 | André

11 meses depois voltei a praticar desporto!!!

Para muitos é algo sem importância, mas para mim tem um significado tremendo, sobretudo porque parei a prática devido a nova atividade da colite.

O regresso à prática desportiva aconteceu ontem, numa corrida no meio da natureza, sem relógio, sem telemóvel, apenas eu...foi mais do que uma corrida, foi o regresso a um estado que me ajuda a vencer a colite.

trail.jpg

Como sabem, considero que as nossas emoções afetam muito o nosso estado de saúde e no meu caso a prática desportiva ajuda-me a libertar o stress, a relaxar, a limpar a cabeça e quando se tem estes benefícios todos a fazer algo que gostamos, só podemos ficar felizes por termos um "refugio".

Qual  é o teu refugio?

 

O que é que desfruto?

20.02.15 | André

O que é que desfruto?

Recentemente fiz esta pergunta e a resposta lamentavelmente foi muito curta, mas há uns meses atrás não tinha resposta para esta pergunta. Mas quero mais, quero desfrutar mais dos momentos em que estou com a família, com os amigos, dos momentos em que vou do trabalho para casa, dos momentos em que estou a trabalhar, dos momentos em que estou em casa, dos momentos em faço desporto,... enfim dos momentos em que posso dizer que estou vivo e cresço para me tornar numa pessoa melhor!

gulbenkian.jpg

 

Quando passo neste lugar onde tirei esta foto, posso dizer que desfruto desse momento!!!

Falta um bocadinho assim...

17.02.15 | André

Estou a passar por uma fase que considero muito boa, estou bem de saúde, a vida familiar está estável, estou muito focado e empenhado no meu futuro profissional, mas estou a irritar-me com muita facilidade, porquê?

À primeira vista não tenho nada que me leve a esse estado de irritação, porque estou feliz, mas falta um bocadinho assim (como no anúncio)...para que o grande computador que é o cérebro ficar plenamente equilibrado.

atividade-fisica.jpg

A minha aposta vai para a endorfina e vou explicar porquê. Eu sempre fiz muito desporto, é algo que faz parte de mim, mas devido às crises, tenho feito interrupções mais prolongadas do que desejaria. Devido à ultima ameaça de crise (inicio de 2014) e agora por estar a recuperar os meus joelhos (inflamação dos tendões e ligamentos) não faço desporto há sensivelmente 11 meses. Isto era impensável há uns anos atrás, mas no próximo dia 21 terei uma consulta com a Naturopata e espero/desejo que depois disso voltar a praticar desporto e além do prazer que me proporcionará, também espero que seja o bocadinho assim...que acabe com esta irritação. 

 

"A endorfina é um analgésico natural que leva a uma sensação de bem-estar e tranquilidade podendo inibir o stresse. Algumas pesquisas afirmam que os efeitos da endorfina são sentidos até uma ou duas horas após a sua liberação. É o que leva ao momento de tranquilidade e paz que os atletas encontram após as atividades físicas."
Vejam o seguinte link, que explica um pouco a relação da endorfina com o desporto http://maisequilibrio.com.br/fitness/endorfina-3-1-2-427.html.

 

Problemas inesperados | Trânsito

13.02.15 | André

No post anterior falei sobre um problema inesperado que aconteceu comigo e a estratégia que utilizei para que o mesmo afetasse-me o menos possível. Continuando no mesmo tema, neste post descrevo outra situação na qual estive envolvido sem nada ter feito para entrar nela.

 

Um dos problemas muito frequentes para quem anda de carro são as picardias entre condutores, sobretudo dentro das grandes cidades.

transito.jpg

Na semana passada deslocava-me dentro de Lisboa, numa estrada com 2 faixas (para cada lado) e o carro à minha frente ia no meio das 2 faixas, eu coloquei-me na faixa da esquerda para o ultrapassar, mas não conseguia por não ter espaço suficiente. O carro que ia atrás de mim começou a apitar porque queria passar, mas mesmo que eu mudasse de faixa, ele não conseguiria ultrapassar devido ao carro da frente. Então que ultrapassa-me pela direita e depois passa para a esquerda e trava à minha frente, o individuo que se encontrava dentro do carro começou a bracejar e a apitar. Naquele instante respondi-lhe na mesma moeda.

No cruzamento seguinte cada um seguiu o seu destino. E agora? Eu iria visualizar esta situação e sentir alguma revolta pelo que aconteceu por quanto tempo mais? Tinha que fechar este assunto naquele momento, então lembrei-me de um exercício que li num dos livros do Anthony Robbins.

 

Imaginei o momento em que eu e o outro condutor seguimos cada um o seu destino e visualizei uma imagem pqquenina a preto e branco desse individuo a seguir o seu caminho e a ter um resto de dia de acordo com as cores da imagem. Pelo contrário visualizei a minha imagem a continuar o caminho definido com cores brilhantes as quais seriam a minha energia para o resto do dia.

 

Desta forma consegui arrumar este assunto na minha cabeça antes que ele tomasse outras proporções. 

Problemas inesperados | Circo

10.02.15 | André

Quem tem uma doença inflamatória do intestino, como é a colite ulcerosa tem de fazer uma boa gestão das emoções para que elas não nos afetem. No meu caso (acredito que em muitos outros), tenho dificuldade na exteriorização das emoções e não poucas vezes que horas mais tarde, dias e por vezes semanas um problema mal resolvido ainda me atormenta.

Há problemas ou situações que podemos evitar, mas há outras que são completamente inesperadas, a que vou partilhar aconteceu comigo recentemente.

circo.jpg

Por altura do ultimo Natal fui com os meus filhos e esposa ao circo, um momento de descontração e em família. Quando estávamos a assistir ao espetáculo um funcionário do circo começou a correr na nossa direção e aos gritos disse para a minha esposa: "Não pode tirar fotografias, já foi avisada e se continuar tem de sair!". Nós ficamos a olhar para o senhor e apenas dissemos que desconhecíamos que não se podia tirar fotografias e se ele quisesse apagávamos as fotografias.

A forma e os modos como o funcionário se dirigiu a nós, foram completamente desajustados. Depois deste acontecimento, fiquei com um sentimento de revolta e tinha de fazer alguma coisa para o resolver, não poderia ficar com este "problema" que eu sabia que me iria consumir mais tarde.

Então dirigi-me à bilheteira do circo e pedi para falar com o dono, que foi muito simpático e pediu desculpa, dizendo inclusive que não havia problema em tirar fotografias com o telemóvel (como foi o caso).

 

Esta curta conversa com o dono do circo fez com que eu exteriorizasse o que estava a sentir, não guardando para mim e que resolvesse em definitivo este acontecimento.

 

  

Follow Friday | Respostas

06.02.15 | André

Cada vez mais procuramos respostas, respostas para os nossos problemas, respostas para o comportamento das pessoas, respostas sabermos como vai ser o dia de amanhã, respostas para...essas respostas estão todas guardados num lugar e esse lugar está ao alcance de cada um, que é dentro de nós próprios.

 

Aproveitando mais uma excelente iniciativa do Sapo, quero destacar um blog http://perfumedealma.blogs.sapo.pt que transmite alguns ensinamentos e partilha técnicas que poderão dar uma boa ajuda na obtenção das respostas que tanto ambicionamos.

Gripe

05.02.15 | André

Este ano a conselho médico tomei a vacina contra a gripe, mas parece que a mesma não cobre todas as estirpes da doença e talvez por isso na semana passada fui "apanhado" por aqueles sintomas nada agradáveis, como a febre, dores no corpo, tosse, etc.

 

gripe.jpg

As pessoas que têm uma doença inflamatória do intestino estão condicionadas aos medicamentos que podem tomar para combater outras doenças, os anti-inflamatórios não são nada recomendáveis, os antibióticos também têm algumas contra-indicações. No meu caso e como a gripe não foi muito forte, apenas tomei ben-u-ron para baixar a febre e repouso, mas claro demorei mais tempo a recompor-me do que uma pessoa que não tenha DII, devido ao menor número de leucócitos (são as células usadas na defesa do organismo).