Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vencer a Colite

Criança, adolescente, jovem, desportista, saudável. Aos 22 anos fui diagnosticado com colite ulcerosa, e agora?

Vencer a Colite

Criança, adolescente, jovem, desportista, saudável. Aos 22 anos fui diagnosticado com colite ulcerosa, e agora?

Qui | 28.01.21

Há margem para melhorar

André

A vitamina D é uma hormona produzida pela pele quando exposta ao sol. Uma das ações mais importantes desta vitamina, é regular o funcionamento do sistema imunitário.

Perante uma deficiência de vitamina D o sistema imunitário pode perder a sua capacidade de detetar corretamente as células que pertencem e as que não pertencem ao seu organismo e pode desencadear um processo de agressão contra células e tecidos da própria pessoa, agravando assim as doenças auto-imunes, como são as Doenças Inflamatórias Intestinais (DII).

 

O inverno em algumas partes do globo e a pandemia covid-19 que estamos a atravessar não ajudam a aumentar os níveis desta vitamina.

 

Além do sol, podemos melhorar os níveis de vitamina-D através de suplementação, sendo conveniente fazermos análises para validarmos se estamos com deficiência.

 

As últimas análises sanguíneas que fiz confirmam que estou com uma deficiência moderada, e por sugestão médica já iniciei a toma de um suplemento.

analisesVitD_DEZ#2020.jpg

Referências:

 

 

 

 

Seg | 25.01.21

Desinflamação

André

O nível de Calprotectina fecal correlaciona-se diretamente com a quantidade de granulócitos neutrófilos e outras células de defesa no lúmen intestinal. Como tal, as concentrações de Calprotectina encontram-se elevadas em Doenças Inflamatórias Intestinais (DII) e também, em menor proporção noutras situações como neoplasias e pólipos.

 

Os níveis de Calprotectina nas fezes são aproximadamente 6 vezes mais elevados do que os encontrados no sangue, o que a torna um bom marcador de inflamação intestinal.

 

As orientações médicas focam-se na medicação e nos sintomas, e pouco nas causas ou no que pode contribuir para reduzir esses sintomas.

 

Nota-se alguma resistência a olhar para os estudos que mostram que uma alimentação saudável, exercício físico ou meditação, podem contribuir para prevenir muitas doenças e melhorar o nosso bem-estar.

No caso o cancro a Organização Mundial de Saúde reconhece a validade de muitos estudos científicos que apontam para que 40% dos casos de cancro poderiam ser evitados com alterações do estilo de vida.

 

Porque só após um diagnóstico estamos dispostos a fazer alterações na nossa vida?

 

Entre Setembro e Novembro a inflamação do meu intestino (análise à calprotectina) reduziu mais de 80% !!!

Neste período tomei um suplemento de ómega-3, será que ajudou?

 

Curiosamente entre Março e Maio a inflamação já tinha reduzido mais de 50% e também tomei o mesmo suplemento.

 

Cada caso é um caso, comigo aparentemente nestes períodos o suplemento de ómega-3 contribuiu para a redução da inflamação, mas é sempre aconselhavel falarmos com o nosso médico antes de introduzirmos uma nova medicação.

 

analisesCalc_NOV#2020.jpg

Referências:

  1. Division of Gastroenterology, Massachusetts General Hospital and Harvard Medical School. Long-term intake of dietary fat and risk of ulcerative colitis and Crohn's disease. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23828881
  2. Cochrane Library. Omega 3 fatty acids for maintenance of remission in ulcerative colitis. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/PMH0013957/
  3. National Library of Medicine. Essential fatty acids in health and chronic disease. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10479232
  4. World Cancer Research Fund, Cancer Prevention Recommendations. Disponível em: https://www.wcrf.org/dietandcancer/cancer-prevention-recommendations