Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vencer a Colite

Criança, adolescente, jovem, desportista, saudável. Aos 22 anos fui diagnosticado com colite ulcerosa, e agora?

Vencer a Colite

Criança, adolescente, jovem, desportista, saudável. Aos 22 anos fui diagnosticado com colite ulcerosa, e agora?

Sex | 19.02.16

Um passo atrás, e agora? Dois à frente?

André

Quando estamos a ver um filme, olhamos, vemos, analisamos, desfrutamos, criticamos, amamos,...envolvemo-nos, mas conscientemente conseguimos manter um certo distanciamento!

E quando somos a personagem principal desse filme?

 

Torna-se mais complicado manter esse distanciamento, não é?

Por vezes apetece "carregar na pausa" para termos tempo para processar a informação antes de agir, porque quando não conseguimos "criar" essa "pausa" acabamos por reagir às circunstâncias e certamente por vezes suportamo-nos em pressupostos que não são os mais fiáveis.

Estas reações também são fruto das dificuldades que temos em gerir as nossas emoções e analisar com algum distanciamento o que está a acontecer naquele momento sem julgamentos.

 charlie_brown.jpg

Como tenho partilhado, desde Agosto que estou a perder sangue regularmente, são quase 7 meses, é muito tempo, nas últimas semanas tinha notado francas melhoras, mas há sensivelmente 1 semana surgiu um stress na minha vida, em que eu apesar de o ter enfrentado com mais naturalidade do que o fazia até então, os meus intestinos ressentiram-se e já deram o alerta, e comecei a sangrar mais.

 

Ao perceber o que está a acontecer com o meu corpo e como a minha postura perante a vida prejudica a minha saúde, vejo 3 alternativas:

  • Revoltar-me com o que está acontecer;
  • Aceitar o que está a acontecer e resignar-me;
  • Aceitar o que está a acontecer e procurar, experienciar, testar,...novas alternativas para que possa melhorar e atingir o estado que ambiciono que é o da cura plena.

 

Claramente que optei pela última hipótese, olho para esta situação que estou a vivenciar como 1 passo atrás no processo que estava a ter, mas dá-me mais "estofo" para dar 2 passos à frente.

 

Nem sempre consigo manter uma postura positiva perante as adversidades, mas felizmente nos últimos meses tenho procurado e acabei por encontrar pessoas e momentos que me têm permitido ter esperança e feito acreditar que é possível vencer este jogo, porque não passa disso mesmo, de um jogo!

 

Aproveito para fazer um agradecimento especial ao meu amigo Gabriel Mateus, que através do seu conhecimento, visão e postura perante a vida, tem-me mostrado e feito acreditar com dados mensuráveis que a cura depende muito mais de nós próprios, do que muitas vezes imaginamos. Obrigado!

2 comentários

Comentar post